Uma Aventura

E outras coleções

Uma Aventura entre Douro e Minho

Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada

Arlindo Fagundes

Editorial Caminho
Coleção , nș6
192 pp
sob consulta

Resumo/Apresentação

Chegaram os pais do João! O grupo foi imediatamente convidado para passar uns dias no Minho. O programa era aliciante: passear pelo campo, pescar no rio, andar de carro de bois, percorrer arraiais e romarias. — Desta vez vão ser umas férias bem calmas! — disseram os pais do Pedro, satisfeitos. Mas afinal tudo se complicou porque no dia em que visitaram o palácio dos Duques, em Guimarães, desapareceu uma obra de arte de valor incalculável.E como eles tinham estado lá dentro, também eram suspeitos. Em vez de cruzarem os braços, lançaram-se à descoberta de pistas, numa tentativa desesperada para encontrarem os verdadeiros criminosos. E a perseguição levou-os até à Ilha dos Amores...

 

(ISBN) 9789722100052

Excerto do Livro

«— Boa ideia! Boa ideia! Assim, já não vão longe!
   — Vê lá se há aí algumas peças do tesouro... podem ter tudo pronto para partir de madrugada.
   — Aqui? No barco? — duvidou o Pedro, erguendo a lona.
   — Sim!
    O Pedro vasculhou ao acaso, pouco convencido. Enfiou a mão por debaixo dos bancos e topou com uma coisa dura.
   — Está aqui... uma pistola! — anunciou, retirando um revólver, que exibiu, assombrado.
   — Esta malta não é para brincadeiras, pelos vistos!
   — Não são para brincadeiras, mas são idiotas! Deixarem aqui uma arma!
   — Deviam sentir-se em segurança. Julgavam que não estava mais ninguém na ilha...
   — E já devem ter muita coisa para transportar de casa para aqui.
   — Pode ser que tenham outras armas.
   — Pois é!
   — Shut! Escutem... Vem aí alguém!
   — Escondam-se! — ordenou Jaime. — Depressa!
    Jaime retirou as balas da arma e atirou-as para o rio. Repôs tudo no seu lugar, cobrindo o barco com a lona e recuou, juntando-se aos amigos. Mesmo a tempo! Um homem surgiu naquele preciso momento, avançando com cautela.»

 

(in Uma Aventura entre Douro e Minho, p. 172)